sábado, 27 de dezembro de 2014

Onesíforo, o amigo de todas as horas | Rev. Hernandes Dias Lopes

x-default Você sabe quem foi Onesíforo? Onde ele morava? Qual foi o destaque que recebeu como crente? Há muitos servos de Deus que passarão quase despercebidos nos anais da história, porém, tiveram uma contribuição decisiva na igreja e uma ação corajosa em favor do povo de Deus. Onesíforo era membro da igreja de Éfeso. Sua cidade era a capital da Ásia Menor, centro de idolatria e ocultismo. Éfeso hospedava o templo de Diana, uma das sete maravilhas do mundo antigo, um palácio de mármore, oito vezes maior que o Parthenon de Atenas. Esse homem converteu-se a Cristo com toda a sua família. Sua marca distintiva foi a misericórdia.

O apóstolo Paulo, depois do incêndio de Roma, entre os dias 17 a 24 de julho de 64 d.C., passa a ser procurado como um malfeitor. Isso, porque, o imperador Nero atribuiu o criminoso incêndio da capital aos cristãos. Paulo, sendo o maior líder do cristianismo é preso e lançado numa masmorra imunda, de onde as prisioneiros saíam leprosos ou para o martírio. Do interior dessa prisão insalubre é que Paulo escreve sua última carta, a seu filho Timóteo, e nela faz referência a Onesíforo, manifestando a ele seu preito de gratidão.

Durante os três anos que Paulo passou em Éfeso, Onesíforo prestou-lhe muitos serviços. Esse foi um tempo turbulento no ministério de Paulo, tempo em que enfrentou feras e travou lutas maiores do que suas forças (2Co 1.8). Esse valente, quase anônimo, muitas vezes encorajou Paulo e lhe deu ânimo quando esteve preso (2Tm 1.16). Ao saber da segunda prisão de Paulo em Roma, saiu de sua cidade e rumou para a capital do império à procura do apóstolo. Procurou-o diligentemente até encontrá-lo. Correu todos os ricos para prestar assistência a Paulo no final de sua vida. Confortou sua alma na sala de espera do martírio. Muitas vezes encorajou Paulo e lhe deu ânimo nas horas mais sombrias da vida. Paulo, nesta última prisão lidou com o drama da solidão, do abandono, das privações, da traição e da ingratidão (2Tm 4.9-18). Mas, Onesíforo não desistiu de Paulo, mesmo sabendo que ele estava sendo acusado de malfeitor (2Tm 2.9). Por causa disso, todos os da Ásia abandonaram o velho apóstolo (2Tm 1.15). Mas quando todos os da Ásia deram marcha ré, abandonando Paulo, Onesíforo pisou no acelerador e estendeu os braços para socorrer o apóstolo.

  • Você tem se esforçado para abençoar seus amigos, ainda que se aproximar deles possa causar-lhe sérios riscos?
  • O exercício da misericórdia tem sido a marca de sua vida?
  • Você tem feito o bem continuamente àqueles que fazem a obra de Deus, sem esmorecer?
  • Você tem diligentemente buscado meios para encorajar os santos de Deus, que estão na linha de frente da batalha?
  • Você tem colocado sua vida, sua casa e sua família a serviço daqueles que, injustamente sofrem acusações injustas e até arriscam sua vida pela causa do evangelho?
  • Você persevera em socorrer os aflitos, ainda que todos estejam abandonando essa trincheira?

A igreja de Deus é um corpo. Nenhum de nós vive de forma isolada e independente. Estamos ligados uns aos outros inseparavelmente e dependemos uns dos outros. Quando um membro sofre, todos devem sofrer com ele; quando um membro é honrado, todos devem se alegrar com ele. Paulo suportou muitas aflições ao longo de seu ministério, mas Deus sempre providenciou alguém para lhe socorrer. Depois, acabou preso injustamente e da prisão foi levado ao cadafalso para ser decapitado, mas não lhe faltou o conforto de Onesíforo na hora derradeira da vida. Este foi um amigo presente, um consolador compassivo, um bálsamo do céu na vida do maior bandeirante do cristianismo.

Rev. Hernandes Dias Lopes