segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Acautelai-vos da Filosofia! | Greg L. Bahnsen

A Escola Secundária Cristã de Newport (ESCN) tem alguma coisa virtualmente única entre as várias escolas cristãs privadas do país. É um recurso extraordinário exigido em seu currículo – um pré-requisito para formar-se no ensino médio na quais outras poucas escolas exigem. A ESCN é única no que oferece um curso de filosofia para seus alunos da escola média.

Houve um tempo em que quase todos os colégios e universidades exigiam de seus estudantes a ter, pelo menos, um curso introdutório de filosofia. Infelizmente, muitos colégios, recentemente, têm alterado as “antiquadas” noções sobre a educação e deixou de exigir a filosofia como pré-requisito para formação. Não surpreendentemente, as faculdades americanas têm formado graduados com pouco interesse de proficiência em lucidez, consistência, força e profundidade de discernimento acerca de uma Cosmovisão. Estes formandos da Escola Secundária Cristã de Newport já estão um passo à frente de muitos estudantes de faculdades que tenham alterado seu currículo para se adequar ao tempo moderno.

Mas eles estão um passo à frente com a filosofia? Um teste freqüentemente mal usado do Novo Testamento poderia sugerir o contrário, pelo menos em primeira leitura. Em Colossenses 2 Paulo escreve: " Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; "(v. 8) – rouba você, isto é, de " todos os tesouros da sabedoria e da ciência (v. 3) que estão depositados em Cristo. Com este tipo de aviso no Novo Testamento, por que uma Escola Cristã quer exigir o estudo da filosofia? Isto pode parecer que deveríamos evitar a filosofia!

Uma leitura mais justa de Paulo em Colossenses 2 vai corrigir nosso equívoco, no entanto. Notamos, em primeiro lugar, que Paulo não proíbe o estudo da filosofia, ao contrário, ele nos adverte sobre ela. Da mesma forma, os pais alertam seus filhos adolescentes sobre os perigos da condução, sem que proíba a utilização do carro da família. A filosofia, como carro, pode ser usada de forma construtiva ou de maneira destrutiva. Paulo adverte contra o potencial destrutivo da filosofia.

Em segundo lugar, notamos, após re-leitura, que a advertência de Paulo não édirigida contra toda a filosofia, mas sim contra um determinado tipo de filosofia. A atenção de Paulo se concentra em um determinado tipo de filosofia que é dada uma descrição estendida: "vãs sutilezas" (vazia e enganadora); segue a "tradição humana" (as opiniões aceitas de homens), e baseia-se nos "princípios elementares do mundo "(os pressupostos daqueles que estão em rebelião contra Deus). Este é o tipo de filosofia contra qual Paulo adverte a igreja. E bem que ele deveria! Qualquer filosofia que se encaixe nessa descrição, de fato vai nos roubar os tesouros do conhecimento em Cristo.

Então, Paulo nos adverte contra a filosofia mundana a qual ele tem descrito desta forma: não é uma filosofia. Vemos, em terceiro lugar, que Paulo se refere a outro tipo de filosofia por contraste. Acima de tudo, ele objeta sobre a filosofia mundana descrito nisso: não é uma filosofia que é "depois de Cristo." Cristo era a vida e o amor de Paulo, o ponto de partida do pensamento e o objetivo do comportamento. Cristo era central para Paulo. Naturalmente, então, Paulo não poderia ter nada a ver com uma filosofia que não estava de acordo com regras Cristo submisso a Sua santa Palavra.

Assim, vemos que, além da filosofia mundana existe algo que pode ser chamado de "filosofia cristã” – a filosofia que é "depois de Cristo." Embora Colossenses 2 advirta os crentes sobre o potencial destrutivo de qualquer filosofia que não está de acordo com Cristo, esta Escritura realmente explica porque devemos estudar filosofia.

Nós estudamos filosofia a fim de cumprir o mandamento de Paulo com maior eficiência e clareza. Nós estudamos filosofia para se certificar de que nossos pressupostos sobre a realidade, conhecimento e ética são verdadeiramente pressupostos que honram de Cristo. Nós estudamos filosofia para ver que tipo de pensamento não seja vítima na nossa cultura. Em suma, estudamos filosofia acautelando-nos de pensar equivocado e comprometermo-nos a pensar verdade sobre o homem e o mundo.

Então, a ESCN tem um curso obrigatório de filosofia. Mesmo se não houvesse tal curso de filosofia, no entanto, ainda seria ensinada filosofia na escola. Na verdade, a filosofia é ensinada todos os dias do ano letivo nas escolas aqueles que não têm curso de filosofia. A filosofia é sempre ensinada em cada curso no currículo de uma escola. Veja, qualquer que seja o livro ou o professor de história, ciência, literatura, matemática, língua estrangeira, etc., é um reflexo de algum tipo de visão filosófica do homem, do mundo, da realidade, do conhecimento, e da vida. Essas atitudes e visões são sempre cumprindo um dever, sempre informando que é dito. Cada livro e professor de filosofia comunicam uma filosofia indiretamente.

Assim, a filosofia é ensinada em todo lugar que os estudantes têm aulas, e seria, portanto, ensinada na ESCN, mesmo que não houvesse um curso sobre o assunto. A diferença na ESCN é que vamos parar e tomar o tempo para refletir sobre a filosofia implícita que é sempre comunicada aos nossos alunos. Acreditamos que a menos que os estudantes levam tempo para refletir sobre questões importantes da filosofia (seus pressupostos e implicações), farão as decisões filosóficas naturalmente – sem o cuidado adequado ou responsabilidade intelectual.

Todo mundo faz filosofia, pois todos têm visões sobre da realidade, conhecimento e ética. A diferença entre "o filósofo" e o homem comum na rua, é simplesmente uma questão de grau. Todo mundo faz filosofia, mas nem todos tentam fazê-la bem. Na ESCN queremos parar e refletir sobre o que devemos pensar e fazer como cristãos. Queremos ser explícitos sobre a nossa filosofia, de modo que possamos ter maior garantia de que estamos fazendo boa filosofia. Só então poderemos verdadeiramente prestar atenção à advertência de Paulo para ter cuidado com a filosofia mundana, pois só então poderemos confiar de que nos comprometemos a uma "filosofia cristã".

Cuidado com a filosofia! A melhor maneira de fazer isto é estudá-la.

Por Greg L. Bahnsen

Fonte: Covenant Media Foundation

Extraído do Blog do Prof. Rev. Gaspar de Sousa