quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Sexo e a Supremacia de Cristo | John Piper [2º Parte]

Na noite de sexta, eu levantei uma bandeira sobre esta conferência com duas convicções escritas nela:

A primeira é que sexualidade é o meio designado por Deus para conhecermos Cristo mais completamente. E a segunda convicção de sexta à noite foi que conhecer Cristo – a supremacia de Cristo – mais completamente é algo designado por Deus como um meio de guardar e guiar nossa sexualidade. E quando eu falo de conhecer Cristo, eu quero dizer isto no mais completo sentido bíblico de compreender a grande verdade sobre Cristo, e crescer em comunhão com Cristo, e ser satisfeito com a supremacia de Cristo.

O que eu gostaria de fazer esta manhã, pela graça de Deus, é ajudar vocês a experimentar esta segunda convicção. Eu gostaria de ajudá-los a conhecer a supremacia de Cristo mais completamente e apresentar a vocês vários caminhos pelos quais isto afetará suas sexualidades.

Minha convicação é que quanto mais você conhece a supremacia de Cristo, mais santificada, satisfatória e para a exaltação de Cristo sua sexualidade será. Eu tenho uma imagem em minha mente, da majestade de Cristo como o Sol no centro do Sistema Solar de nossas vidas. O pesado Sol, com 333000 vezes a massa da Terra, segura todos os planetas em sua órbita, mesmo o pequeno Plutão, a 3,6 bilhões de milhas de distância.

Assim é a supremacia de Cristo em sua vida. Todos os planetas de sua vida – sua sexualidade e desejos, seus compromissos e crenças, suas aspirações e sonhos, suas atitudes e conviccções, seus hábitos e disciplinas, sua solidão e relacionamentos, seu trabalho e descanso, seu pensar e sentir – todos os planetas de sua vida estão seguros em órbita pela grandeza, a gravidade e a brilhante luz da supremacia de Jesus Cristo no centro de sua vida. E se ele cessa de ser a luminosa, calorosa e satisfatória beleza no centro de sua vida, os planetas vagarão em confusão, e centenas de coisas estarão fora de controle, e mais cedo ou mais tarde, serão aniquiladas em destruição.

Nós fomos feitos para conhecer a Cristo como ele realmente é. (Por isso é que esta doutrina bíblica é tão importante). Nós fomos criados para compreender – o máximo que uma criatura pode – a supremacia de Cristo. E este conhecimento para o qual fomos feitos para experimentar não é um conhecimento de indiferença desinteressada – como saber que César cruzou o Rubicão, ou que a antiga Gália era dividida em três partes – mas é o conhecimento de admiração, maravilhamento, assombro, intimidade, êxtase e afeição. Não é o conhecimento do furacão Jeanne por vê-lo na TV, mas por voar no olho da tempestade – algumas vezes até numa asa-delta!

Fomos feitos para ver e desfrutar com satisfação eternal a supremacia de Cristo. Nossa sexualidade aponta para isto, e nossa sexualidade é purificada por isto. Nós somos seres sexuais que podemos conhecer algo mais da supremacia de Cristo. E devemos conhecer a supremacia de Cristo, devemos conhecê-lo em sua supremacia, com o objetivo de experimentar nossa sexualidade como santificada, doce e para louvor de Cristo – em segundo lugar, serenamente, poderosamente em segundo lugar.

Minha oração por esta conferência e por cada um de vocês é que vocês vejam e desfrutem a supremacia de Cristo – casados ou solteiros, homens ou mulheres, velhos ou jovens, devastados por desejos desordenados, ou caminhando em santidade – que todos vocês vejam e abracem a supremacia de Cristo como o radiante Sol no centro de suas vidas, e que o planeta de sua sexualidade, com todas as suas luas de prazer, orbitem em seu lugar apropriado.

Existem muitas estratégias práticas para ser sexualmente puro na mente e no corpo. Eu não as menosprezo. Eu as utilizo! Mas com todo meu coração eu sei, e com a autoridade da Escritura sei que as pequenas naves de nossas estratégias morais são inúteis em trazer o planeta da sexualidade à sua órbita, a não ser que o Sol de nosso Sistema Solar seja a supremacia de Cristo.

Oh, que o ressurreto, Cristo vivo, portanto, possa vir a nós (agora mesmo) por seu Espírito e através de sua Palavra e nos revele:

  • - a supremacia de sua divindade, igual a Deus Pai em todos os seus atributos – a luz de sua glória e a revelação exata de sua natureza, infinitude e poder em todas as suas excelências;
  • - a supremacia de sua eternidade que faz a mente do homem explodir com o pensamento inescrutável de que Cristo nunca teve um princípio, mas simplesmente sempre é; ele é realidade completa, absoluta, enquanto todo universo é frágil, contigente, como uma sombra em comparação a sua substância determinante, sempiterna.
  • - a supremacia de sua imutável constância em todas as suas virtudes e todo o seu ser e todas as suas promessas – o mesmo ontem, hoje e sempre;
  • - a supremacia de seu conhecimento, que faz a Biblioteca do Congresso parecer uma caixa de fósforos, e toda a informação da internet parecer com um pequeno almanaque rural de 1940, e física quântica – tudo aquilo com o qual Stephen Hawking jamais sonhou – parecer uma cartilha de 1ª série;
  • - a supremacia de sua sabedoria que nunca foi surpreendida por qualquer complicação e nunca precisou ser aconselhada pelo mais sábio dos homens;
  • - a supremacia de sua autoridade sobre céus, terra e inferno, cuja permissão é necessária para que qualquer homem ou demônio possa mover-se um centímetro, que muda os tempos e estações, remove reis e escolhe reis; e segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: Que fazes?
  • - a supremacia de sua providência, sem a qual nem um simples pássaro cai no chão nos locais mais inóspitos da Floresta Amazônica, ou um simples fio de cabelo de qualquer cabeça torna-se preto ou branco;
  • - a supremacia de sua palavra que momento a momento preserva o universo e sustenta em si todas as moléculas e átomos e sub-átomos que nós jamais sonharíamos;
  • - a supremacia de seu poder para caminhar sobre a água, purificar leprosos, curar enfermos, dar vista aos cegos, dar aos surdos a capacidade de ouvir, fazer as tempestades acalmarem-se, os mortos levantarem-se, com uma simples palavra, ou mesmo um pensamento;
  • - a supremacia de sua pureza, que nunca pecou, ou teve um milisegundo de ações ruins ou qualquer pensamento maligno;
  • - a supremacia de sua infalibilidade em nunca quebrar sua palavra ou deixar uma promessa sem se cumprir;
  • - a supremacia de sua justiça em providenciar, no tempo devido, o pagamento de todas as dívidas morais no Universo, determinadas somente na cruz ou no inferno;
  • - a supremacia de sua paciência ao suportar nossa falta de sabedoria década após década; e segurar seu julgamento final nesta terra e no mundo, para que muitos possam se arrepender;
  • - a supremacia de sua soberana e servil obediência em cumprimir os mandamentos de seu Pai perfeitamente e então abraçar a terrível dor da cruz por sua própria vontade;
  • - a soberania de sua mansidão, humildade e serenidade que nunca quebrará um galho seco, nem apagará uma fraca chama;
  • - a supremacia de sua ira que um dia explodirá contra este que mundo com tamanha tribulação que as pessoas preferirão clamar às pedras e às montanhas que caiam sobre elas a encarar a ira do Cordeiro;
  • - a supremacia de sua graça que dá vida aos mortos espiritualmente e desperta a fé nos inimigos de Deus que eram escravos do Inferno, e justifica os ímpios com a sua retidão;
  • - a supremacia de seu amor que se entregou à morte por nós, quando ainda éramos pecadores, e que nos liberta para alegria crescente de tornar-nos imitadores dele para sempre;
  • - a supremacia de seu próprio gozo inextinguível, na comunhão da Trindade, o poder e a energia infinitos que deram vida a todo o Universo e que um dia será a herança de todos os santos perseverantes;
E, mesmo Cristo nos dando a conhecê-lo de tal forma, ainda assim é menos que um relance de sua supremacia. O tempo se esgotaria se falássemos da supremacia de sua severidade, invencibilidade, dignidade, simplicidade, complexidade, firmeza, calma, profundidade e coragem. Se existe algo admirável, se há algo digno de louvor em qualquer lugar do universo, isto é sumarizado supremamente em Jesus Cristo.

Ele é supremo de todas as formas sobre tudo:

Sobre galáxias e porções infinitas do espaço;
Sobre a Terra, do topo do Monte Everest ao mais profundo do Oceano Pacífico;.
Ele é supremo sobre todas as plantas e animais, da pacífica Baleia Azul aos microscópicos vírus mortais;
Sobre o clima e os movimentos da Terra: furacões, tornados, monções, terremotos, avalanches, enchentes, neve chuva, granizo;
Sobre todos os processos químicos que curam e destroem: câncer, AIDS, malária, febre, e sobre todas as atividades dos antibióticas e milhares de remédios medicinais;
Ele é supremo sobre todos os países, todos os governos e todos os exércitos;
Sobre Al Qaeda e todos os terroristas, sequëstradores, homens-bomba e decapitadores;
Sobre Bin-Laden e Al-Zarqawi;
Sobre todas as ameaças nucleares do Irã ou Rússia ou Coréia do Norte.
Ele é sumpremo sobre todos os políticos e eleições;
Sobre toda a mídia, noticiários, entretenimento, esportes e leitura;
E sobre toda educação, universidades, escolas, ciência e pesquisas;
E sobre todos os negócios, finanças, indústria, manufatura e transporte;
E sobre toda a internet e sistemas de informação;

Como Abraham Kuyper costumava dizer: “não há um milímetro cúbico em todas as áreas da existência humana sobre o qual Cristo, que é Soberano acima de todos, não possa dizer ‘É meu!’ ” [1], e que ele reine em supremacia absoluta. E pensar que por enquanto ainda não é assim, isto é apenas uma questão de tempo – até que ele seja revelado dos céus como labareda de fogo para a dar recompensa àqueles que creram nele e a justa vingança àqueles que não creram.

Oh, que o Deus Todo-Poderoso ajude-nos a ver e desfrutar da supremacia de seu Filho. Entregue-se a isso. Estude isto. Cultive esta paixão. Durma, coma e beba esta busca do conhecimento da supremacia de Cristo. Peça a Deus que ele manifeste a vocês estes assuntos em sua Palavra. Mergulhe na Bíblia todos os dias. Use os meios da graça. Como livros teocêntricos e de exaltação a Cristo. Não vá para casa sem livros que ajudem você nisto. Consiga John Owen sobre as glórias de Cristo [2] e a mortificação do pecado [3]. Consiga Maganey sobre a Cruz [4] e a glória de Deus no casamento [5]. Consiga Powlison [6], Patterson [7] e Edwards [8]. E com tudo que você conseguir – não importa o que seja – consiga a supremacia cheia de gozo de Cristo no centro de sua vida.

Este é o Sol radiante no centro de seu Sistema Solar, mantendo o planeta da sexualidade na órbita sagrada. Esta é âncora de seu pequeno bote guardando-o de ser puxado pelas ondas da tentação sexual. Esta a fundação com segura o prédio de sua vida para que então você possa construí-lo com estratégias de pureza sexual. Sem isto – sem conhecer e abraçar a supremacia de Cristo em todas as coisas – os planetas vagam sem rumo, as ondas submergem e um dia a casa cairá.


O Maior Obstáculo ao Conhecimento da Supremacia de Cristo

Mas nós somos pecadores. Todos nós. Ninguém é justo, não, nenhum. Nós todos pecamos e fomos destituídos da glória de Deus. Nós não o conhecemos, não confiamos nele e não o valorizamos da forma que merece. Então o que obstrui o caminho? Qual é nosso maior obstáculo para conhecer a supremacia de Cristo, com um conhecimento sobre a sexualidade transformado e profundamente satisfatório?

A resposta bíblica a esta questão é: a absolutamente justa e santa ira de Deus. Nós não podemos conhecer Deus em nossos pecados porque a ira de Deus repousa em nós, em nossos pecados. O que merecemos por nossos pecados não é o conhecimento de Deus, mas seu julgamento. E desde que nós fomos cortados do conhecimento de Deus por sua ira, todos fomos cortados da pureza e santidade sexuais. Deus não nos deve pureza, ele nos deve punição. Assim, nós somos depravados e condenados sem qualquer esperança.

Exceto por uma coisa: as boas novas de que Cristo fez-se maldição por nós para levar a ira de Deus e a justiça para cumprir a exigência de Deus. Este é o coração do Evangelho. E sem isto não há esperança de escapar da ira de Deus, não há esperanças de conhecer a supremacia de Cristo e nem existe esperança de pureza sexual. Mas isto é para todos os que crêem: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: ‘Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro’ ”. Nós estávamos sob a maldição da ira de Deus. Mas Cristo se fez maldição por nós. E novamente: em Filipenses 3.9, o testemunho de Paulo de que ele “seja achado nele [Cristo], não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé”. A exigência de Deus era que nós fôssemos perfeitos. Não conseguimos, em nosso pecado, cumprir esta exigência. Mas Cristo o fez. E pela fé nele esta justiça perfeita é imputada em nós.

Portanto, como é verdadeiro que Cristo tomou toda a ira de Deus, que era endereçada a mim, e como é verdadeiro que Cristo cumpriu a perfeita justiça que Deus espera de mim, agora não há nenhuma condenação para mim. Pelo contrário. Todo pensamento de Deus e todo ato de Deus em relação a mim, em Cristo, é misericórdia. O caminho está aberto para conhecê-lo e toda a beleza da supremacia de seu Filho. A cruz de Cristo fez a supremacia de Cristo conhecida.

O melhor dom do Evangelho não é o perdão dos pecados. O melhor dom do Evangelho não é a justiça imputada de Cristo. O melhor dom do Evangelho não é a vida eterna; O melhor dom do Evangelho é ver e desfrutar da supremacia do próprio Cristo. O maior benefício da cruz é conhecer a supremacia de Cristo.

Como então o conhecimento da supremacia de Cristo (revelado a nós pelo Evangelho) nos guia, guarda e governa nossas vidas sexuais?

Como tornar nossa sexualidade santificada, satisfatória e para o louvor de Cristo? De todos os meios que funionam, eu mencionarei apenas dois.

Primeiro, conhecer a supremacia de Cristo esclarece tanto a alma que sexo e seus pequenos prazeres tornam-se tão pequenos quanto eles realmente são.

Almas pequenas fazem pequenos prazeres terem grande poder. A alma, como é, se expande para abrigar a grandeza de seu tesouro. A alma humana foi feita para ver e desfrutar da supremacia de Cristo. Nada mais é grande o bastante para expandir a alma como Deus planejou e que também faça pequenos prazeres perderem seu poder.

Imensos céus estrelados visto de uma montanha em Utah, quatro nuvens movendo-se em um espaço aparentemente sem fim em Montana, posicionar-se na beirada da mais profunda depressão do Grand Canyon – tudo isso pode ter um papel maravilhosamente suplementar no crescimento da alma, pela beleza. Mas nada pode tomar o lugar da supremacia de Cristo. Como Jonathan Edwards disse, se você abraça toda criação com boa-vontade, mas não Cristo, você está infinitamente solitário. Nosso corações foram feitos para serem alargados por Cristo, e toda a criação não pode substituir sua supremacia.

Minha convicção é que uma das maiores razões pelas quais o mundo e a igreja estão mergulhados em luxúria e pornografia (homens e mulhers – 30% da pornografia da internet atualmente é vista por mulheres) é que nossas vidas são intelectual e emocionalmente desconectadas da infinita e assustadora grandeza para o qual fomos feitos. Dentro e fora da igreja, a cultura ocidental está se afogando em um mar de trivialidade, superficialidade, banalidade e falta de bom senso. Televisão é trivial. Rádio é trivial. Conversas são triviais. Educação é trivial. Livros cristãos são triviais. Estilos de louvor são triviais. É inevitável que o coração humano, que foi feito para ser preenchido da supremacia de Cristo, mas que está se afundando no mar do entretenimento banal, procure pela melhor solução natural que a vida pode oferecer: sexo.

Portanto, a cura mais profunda para nossos vícios infelizes não são estratégias mentais – e eu acredito nelas e tenho minhas próprias (veja ANTHEM[9]). A cura mais profunda é ser intelectual e emocionalmente preenchido pela infinita, eterna e imutável supremacia de Cristo em todas as coisas. É isto que significa conhecê-lo. Cristo comprou este dom para nós ao custo de sua vida. Portanto, eu digo com Oséias: Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao SENHOR

Finalmente, a outra visão que eu gostaria de mencionar é que este conhecer Cristo serve para salvar nossa sexualidade do pecado, e isto nos fortalece nos sofrimentos.

Conhecer tudo o que Deus prometeu para nós em Cristo, tanto agora quanto na eternidade vem com uma alegria sempre crescente, liberta-nos da compulsão de que nós devemos ignorar a dor e maximizar nosso conforto neste mundo. Nós não precisamos, e nós não ousaremos. Cristo morreu para fazer nosso futuro eterno radiante com a supremacia de sua glória. E a forma que ele utiliza para isto acontecer agora é: sofrimento, mas com o coração pleno de alegria no caminho do amor.

Mateus 5.11-12: “Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.”

Lucas 14.13-14: “Mas, quando fizeres convite, chama os pobres, aleijados, mancos e cegos, e serás bem-aventurado; porque eles não têm com que to recompensar; mas recompensado te será na ressurreição dos justos.”

Hebrus 10.34: “Porque também vos compadecestes das minhas prisões, e com alegria permitistes o roubo dos vossos bens, sabendo que em vós mesmos tendes nos céus uma possessão melhor e permanente.”

Hebreus 13.13-14: “Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério. Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura”. Sim, a cidade que “a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada” (Ap 21.23), e nós viveremos à luz de sua supremacia eternamente. Esta é a cidade melhor, e este é o poder para sair do arrial e levar o vitupério.

Portanto, conhecer todas as promessas de Deus para nós em Cristo é o poder para sofrer com alegria. E aqui está a ligação. Devemos sofrer com o objetivo de sermos sexualmente puros.

Jesus diz em Mateus 5.28-29: “Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela. Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o e atira-o para longe de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no inferno” – quando Jesus diz isto, ele quer dizer sofra o que você deve sofrer para vencer a guerra contra a carne.

Conhecer a supremacia de Cristo, estar satisfeito com tudo que Deus é por nós em Jesus, nos dá forças para sofrer por amor às pessoas e para sermos puros.

Portanto, concluindo, eu digo novamente com Oséias: Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao SENHOR. Não será fácil. Pode lhe custar a vida. Mas se você guardar a supremacia de Cristo sempre à sua frente como um prêmio infinito, encontrará a força para sofrer e perserver no amor e pureza, com alegria.

NOTAS

[1] Abraham Kuyper, Abraham Kuyper: A Centennial Reader, ed. James D. Bratt (Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 1998), 488.
[2] John Owen, The Glory of Christ, in The Works of John Owen, vol. 1, ed. W. H. Goold, 24 vols. (1850-1853; repr. Edinburgh: Banner of Truth, 1965).
[3] John Owen, The Mortification of Sin, in The Works of John Owen, vol. 6.
[4] C. J. Mahaney, The Cross Centered Life (Sisters, Ore.: Multnomah, 2003); C. J. Mahaney, Christ Our Mediator (Sisters, Ore.: Multnomah, 2004).
[5] C. J. Mahaney, Sex, Romance, and the Glory of God (Wheaton, Ill.: Crossway Books, 2004).
[6] David Powlison, Seeing with New Eyes: Counseling and the Human Condition Through the Lens of Scripture (Philipsburg, N.J.: P&R, 2003).
[7] Ben Patterson, Deepening Your Conversation With God: Learning to Love to Pray (Minneapolis: Bethany, 2001); Ben Patterson, Waiting: Finding Hope When God Seems Silent (Downers Grove, Ill.: InterVarsity Press, 1991).
[8] See the recommended resources in John Piper and Justin Taylor, eds., A God-Entranced Vision of All Things: Jonathan Edwards 300 Years Later (Wheaton, Ill.: Crossway Books, 2004).
[9] See John Piper, Pierced by the Word (Sisters, Ore.: Multnomah, 2003), 107-111. This is also available as a Fresh Words.

Por: John Piper
Leia também: Sexo e a Supremacia de Cristo. 1ªParte
Se desejar compre o livro "Aqui"
Tradução livre: Josaías Cardoso Ribeiro Jr.
Brasília-DF, 13 de Novembro de 2004.