quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Sexo e a Supremacia de Cristo | John Piper [1º Parte]

Há uma relação entre a decapitação de Jack Hensley, Eugene Armstrong, Nick Berg, Paul Johnson e talvez de Kenneth Bigley, com esta conferência sobre Sexo e a Supremacia de Cristo.

Eu olho para eles e vejo suas mãos e seus olhos. E penso sobre minhas mãos e meus olhos, e sobre minha morte e minha fé. E então, eu ouço as palavras de Jesus colocar tudo isto em perspectiva, e em relação ao sexo.
“Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela. Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no inferno. E, se a tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que vá todo o teu corpo para o inferno” (Mateus 5:27-30).

Em outras palavras, há algo muito mais importante do que guardar seu olho ou sua mão – ou sua cabeça – a saber, receber a vida eterna e não perecer no inferno. E Jesus liga isto com a guerra que estamos travando, não no Iraque, mas em nossos corações. E o assunto é o desejo sexual e o que desejamos fazer com ele.

Por onde quer que você olhe no mundo, parece que há lembranças de que a vida é uma guerra. Nós não podemos brincar neste final de semana. Céu e inferno, Jesus disse, estão na balança.

Dois Pontos Simples e Relevantes

Eu tenho dois pontos simples e relevantes para fazer. Eu penso que tudo nesta conferência será a explanação e a aplicação destes dois pontos. O primeiro é que a sexualidade é designada por Deus como uma maneira de se conhecer a Deus em Cristo mais completamente. O segundo é que conhecer a Deus em Cristo mais completamente é designado como uma maneira de se guardar e guiar nossa sexualidade. Eu uso a frase “Deus em Cristo” para indicar no princípio que voltarei freqüentemente a essa frase, porque o pressuposto bíblico desta conferência é que Cristo é Deus.

Agora, para declarar os dois pontos novamente, desta vez negativamente, em primeiro lugar, todos os usos impróprios de nossa sexualidade distorcem o verdadeiro conhecimento de Cristo. E, em segundo lugar, todos os usos impróprios de nossas sexualidades derivam de não termos o verdadeiro conhecimento de Cristo.

Ou para colocar de uma maneira melhor: 1) toda a corrupção serve para ocultar o verdadeiro conhecimento de Cristo, mas 2) o verdadeiro conhecimento de Cristo serve para prevenir a corrupção sexual.


1. A Sexualidade é Designada por Deus como uma Maneira de se Conhecer a Deus mais Completamente.

Deus criou seres humanos à Sua imagem – macho e fêmea Ele os criou, com capacidades para prazeres sexuais intensos, e com um chamado para compromisso no casamento e continência na vida de solteiro. [1] E seu propósito em criar seres humanos com individualidade e paixão foi assegurar que houvesse linguagem e imagens sexuais que apontassem para as promessas e os prazeres do relacionamento de Deus com o Seu povo e de nosso relacionamento com Ele. Em outras palavras, a razão última (não somente a única) por que somos sexuais é para tornar Deus mais profundamente conhecível. A linguagem e as imagens da sexualidade são as mais gráficas e as mais poderosas que a Bíblia usa para descrever o relacionamento entre Deus e o Seu povo – tanto positivamente (quando somos fiéis), como negativamente (quando não somos).

Ouça, por exemplo, se você pode sem embaraço, tanto o lado positivo como o negativo nas palavras de Deus faladas através do profeta Ezequiel. Tenha em mente que Deus tinha escolhido Israel dentre todos os povos da terra para experimentar o seu amor pactual especial, até o dia quando o Messias Judeu, Jesus Cristo, veio e viveu e morreu no lugar de pecadores, para que o evangelho de Cristo pudesse transbordar as bordas de Israel e inundar as nações do mundo. Assim, o que ouvimos Deus dizer sobre Seu amor para com Seu povo Israel no Antigo Testamento, é tudo ainda mais verdadeiro de Seu relacionamento com aqueles que crêem em Seu Filho, o Messias, Jesus Cristo. Aqui está como Deus descreve este relacionamento com Israel de acordo com o profeta Ezequiel, capítulo 16. Ele fala a Jerusalém como a encarnação de Seu povo e ensaia mais de mil anos de história. Começando no verso 4:

E, quanto ao teu nascimento, no dia em que nasceste não te foi cortado o umbigo, nem foste lavada com água, para te alimpar; nem tampouco foste esfregada com sal, nem envolta em faixas; ninguém se apiedou de ti para te fazer alguma destas coisas, compadecido de ti; porém foste lançada fora no campo, pelo nojo de ti, no dia em que nasceste. E, passando eu por ti, vi-te banhada no teu sangue, e disse- te: Ainda que estás no teu sangue, vive; sim, disse-te: Ainda que estás no teu sangue, vive. Eu te fiz multiplicar como o renovo do campo. E cresceste, e te engrandeceste, e alcançaste grande formosura. Formaram-se os teus seios e cresceu o teu cabelo; contudo estavas nua e descoberta. Então, passando eu por ti, vi-te, e eis que o teu tempo era tempo de amores; e estendi sobre ti a minha aba, e cobri a tua nudez; e dei-te juramento, e entrei num pacto contigo, diz o Senhor Deus, e tu ficaste sendo minha. Então te lavei com água, alimpei-te do teu sangue e te ungi com óleo. Também te vesti de bordados e cingi-te de linho fino, e te cobri de seda...

Esta é uma figura da absolutamente livre e imerecida misericórdia de Deus. Foi assim que Israel foi escolhido. Foi assim que você foi trazido da morte para a vida, das trevas para luz, da incredulidade para fé, se você é um crente. “Eu te disse, ‘Vive!’ e te diz multiplicar como o renovo do campo. Eu me casei com você. Você é minha”. Foi assim que Israel começou. É assim que a vida cristã começa. A Poderosa misericórdia de Deus. Então, Ele continua com a imagem. Ezequiel 16:13ss:

Assim foste ornada de ouro e prata, e o teu vestido foi de linho fino, de seda e de bordados; de flor de farinha te nutriste, e de mel e azeite; e chegaste a ser formosa em extremo, e subiste até a realeza. Correu a tua fama entre as nações, por causa da tua formosura, pois era perfeita, graças ao esplendor que eu tinha posto sobre ti, diz o Senhor Deus. Mas confiaste na tua formosura, e te corrompeste por causa da tua fama; e derramavas as tuas prostituições sobre todo o que passava, para seres dele. E tomaste dos teus vestidos e fizeste lugares altos adornados de diversas cores, e te prostituíste sobre eles, como nunca sucedera, nem sucederá... Tens sido como a mulher adúltera que, em lugar de seu marido, recebe os estranhos. A todas as meretrizes se dá a sua paga, mas tu dás presentes a todos es teus amantes; e lhes dás peitas, para que venham a ti de todas as partes, pelas tuas prostituições....

Esta é a figura da infidelidade de Israel. Sua idolatria — sua volta do Senhor Deus para os deuses estranhos - é representada como a obra de uma prostituta. E eu digo novamente o que eu disse no princípio: Deus nos criou com paixão sexual para que pudesse haver linguagem para descrever o que significa se unir a Ele em amor e o que significa se afastar dEle por causa de outros. Agora vem a palavra de julgamento. Ezequiel 16:35ss:

Portanto, ó meretriz, ouve a palavra do Senhor. Assim diz o Senhor Deus: Pois que se derramou a tua lascívia, e se descobriu a tua nudez nas tuas prostituições com os teus amantes; por causa também de todos os ídolos das tuas abominações, e do sangue de teus filhos que lhes deste; portanto eis que ajuntarei todos os teus amantes, com os quais te deleitaste, como também todos os que amaste, juntamente com todos os que odiaste, sim, ajunta-los-ei contra ti em redor, e descobrirei a tua nudez diante deles, para que vejam toda a tua nudez...

Pode parecer como se Deus tivesse finalmente terminado com Israel. O julgamento caiu. A esposa foi abandonada. Mas esta não é a palavra final. Deus odeia o divórcio. Portanto, embora Ele julgue e separe, Ele não esquecerá finalmente o Seu povo do pacto – sua esposa. Ele fará com ela um novo pacto, e a trará de volta para Si mesmo à custa de Seu Filho e pelo poder do Seu Espírito. Ezequiel 16:59ss.:

Pois assim diz o Senhor Deus: Eu te farei como fizeste, tu que desprezaste o juramento, quebrantando o pacto. Contudo eu me lembrarei do meu pacto, que fiz contigo nos dias da tua mocidade; e estabelecerei contigo um pacto eterno... E estabelecerei o meu pacto contigo, e saberás que eu sou o Senhor; para que te lembres, e te envergonhes, e nunca mais abras a tua boca, por causa da tua vergonha, quando eu te perdoar tudo quanto fizeste, diz o Senhor Deus.

O fim da história é que Deus, após abrir mão de Sua infiel esposa nas mãos de seus amantes brutais, não somente a tomará de volta, e não somente fará com ela um novo e eterno pacto, mas Ele mesmo pagará por todos os seus pecados. Esta prostituta tem débitos a pagar? Este marido os pagará. “Quando Eu perdoar...tudo quanto fizeste, diz o Senhor”. Deveras Ele pagará com a vida de Seu próprio Filho.

E assim, no Novo Testamento, após Jesus Cristo ter morrido e ressuscitado e estar reunindo um povo para Si mesmo e para o Seu Pai celestial, o apóstolo Paulo chama todos os maridos a viverem com suas esposas dessa forma (Efésios 5:25-27). Modele seu amor neste tipo de amor:

Vós, maridos, amai a vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, a fim de a santificar, tendo-a purificado com a lavagem da água, pela palavra, para apresentá-la a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem qualquer coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.

Isto é o cumprimento da visão de Ezequiel: “Eu me lembrarei do meu pacto, que fiz contigo...e estabelecerei contigo um pacto eterno...e saberás que eu sou o Senhor... quando Eu perdoar tudo quanto fizeste, diz o Senhor Deus”. Jesus Cristo cria, confirma e compra com Seu sangue o novo pacto e o eterno gozo de nosso relacionamento com Deus. E a Bíblia chama isto de um casamento. E descreve o grande dia de nossa união final como “a ceia das bodas do Cordeiro” (Apocalipse 19:9).

Portanto, digo novamente: Deus nos criou à Sua imagem, macho e fêmea, com individualidade e paixões sexuais, para que quando Ele viesse a nós neste mundo, existissem estas poderosas palavras e imagens para descrever as promessas e os prazeres de nossa relação pactual com Ele, através de Cristo.

Deus nos fez poderosamente sexuais para que Ele fosse mais profundamente conhecível: Foi nos dado o poder para conhecer um ao outro sexualmente, para que pudéssemos ter alguma dica do que seria conhecer a Cristo supremamente.

Portanto, todos os usos impróprios de nossa sexualidade (adultério, fornicação, fantasias ilícitas, masturbação, pornografia, comportamento homossexual, estupro, abuso sexual de crianças, bestialidade, exibicionismo, e assim por diante) distorcem o verdadeiro conhecimento de Deus. Deus tenciona que a vida sexual humana seja um indicador e um antegozo de nossa relação com Ele.


2. Conhecer a Deus é Designado por Deus como uma Maneira de se Guardar e Guiar Nossa Sexualidade.

Este é o primeiro dos meus dois pontos. Agora o segundo é este: Não somente todos os usos impróprios de nossa sexualidade servem para ocultar ou distorcer o verdadeiro conhecimento de Deus em Cristo, mas o oposto também opera poderosamente: o verdadeiro conhecimento de Deus em Cristo serve para prevenir o uso impróprio de nossa sexualidade. Assim, por um lado, a sexualidade é designada por Deus como uma maneira de conhecer a Cristo mais completamente. E, por outro lado, conhecer a Cristo mais completamente é designado como uma maneira de se guardar e guiar nossa sexualidade.

Agora, em face disso, parecerá para muitos como patentemente falso que o conhecer a Cristo guardará e guiará nossa sexualidade. Porque muitos listarão os pastores, presbíteros e teólogos que têm cometido adultério, ou que têm sido descobertos como viciados em pornografia, ou que têm usado sexualmente garotos ou garotas. Certamente, então, se pastores, que sustenta o sagrado ofício de ternamente pastorear o rebanho de Cristo, podem ser tão sexualmente corrompidos, não pode haver nenhuma correlação entre conhecer a Cristo e ser sexualmente correto, pode?

Eu penso que esta questão deva ser respondida a partir das Escrituras, não da experiência, porque se as Escrituras ensinam que conhecer verdadeiramente a Deus guarda, guia e governa nossa sexualidade em pureza e amor, então, podemos estar certos de que um pastor, ou padre, ou teólogo, ou qualquer outra pessoa, cuja sexualidade não é governada, guardada e guiada numa pureza e amor que exaltam a Cristo, não conhece a Deus – pelo menos não como deveria conhecer. Assim, o que a Bíblia ensina com respeito ao conhecimento de Deus e o guardar de nossa sexualidade?

Para responder esta questão, permita-me lembrar-lhe que conhecer alguém no sentido bíblico mais pleno é definido por imagens sexuais. Gênesis 4:1, “E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz a Caim”. “Conhecer” aqui se refere à relação sexual. Ou novamente em Mateus 1:24-25, nós lemos, “E José, tendo despertado do sono, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu sua mulher; e não a conheceu enquanto ela não deu à luz um filho; e pôs-lhe o nome de JESUS”. Ele “não a conheceu” significa: ele não teve relações sexuais com ela.

Eu não quero dizer que toda vez que a palavra “conhecer” é usada na Bíblia, há conotações sexuais. Isto não é verdade. Mas o que eu quero dizer é que a linguagem sexual na Bíblia para nosso relacionamento com Deus, nos leva a pensar sobre o conhecer a Deus com base na analogia da intimidade e êxtase sexual. Eu não quero dizer que tenhamos, de alguma forma, relações sexuais com Deus ou Ele com o homem. Este é um pensamento pagão; não é um pensamento cristão. Mas eu quero dizer que a intimidade e o êxtase das relações sexuais apontam para o que o conhecer a Deus deve ser.

Um dos livros da Bíblia que deixam isto claro é o livro de Oséias. Ouça a forma que Deus fala através de Oséias para descrever a restauração de Seu casamento com o infiel Israel. Oséias 2:14-20:

Portanto, eis que eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração. E lhe darei as suas vinhas dali, e o vale de Acor por porta de esperança; e ali responderá, como nos dias da sua mocidade, e como no dia em que subiu da terra do Egito. E naquele dia, diz o Senhor, ela me chamará meu marido; e não me chamará mais meu Baal. Pois da sua boca tirarei os nomes dos baalins, e não mais se fará menção desses nomes. Naquele dia farei por eles aliança com as feras do campo, e com as aves do céu, e com os répteis da terra; e da terra tirarei o arco, e a espada, e a guerra, e os farei deitar em segurança. E desposar-te-ei comigo para sempre; sim, desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em amorável benignidade, e em misericórdias; e desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao Senhor.

Eu penso que seja virtualmente impossível ler isto e então, honestamente dizer que conhecer a Deus, como Deus deseja ser conhecido por Seu povo no novo pacto, significa simplesmente consciência, entendimento ou conhecimento mental de Deus. Nem em um milhão de anos é o que “conhecer a Deus” significa aqui. Este é o conhecimento de um amante, não de um acadêmico. Um acadêmico pode ser um amante. Mas um acadêmico – ou um pastor – não conhece a Deus até que ele seja um amante. Você pode conhecer sobre Deus através de pesquisa; mas até que o pesquisador seja impressionado pelo que vê, ele não poderá conhecer a Deus da forma como Ele realmente é. E esta é uma das grandes razões porque muitos pastores podem se tornar impuros. Eles não conhecem a Deus – o verdadeiro, massivo, glorioso, gracioso e bíblico Deus. A intimidade humilde e o êxtase de um coração quebrantado – colocando fogo aos fatos – não existe.

Mas até agora eu tenho apenas falado; eu ainda não mostrei isso a partir das Escrituras. Eu apenas disse, “Se as Escrituras ensinam que conhecer verdadeiramente a Deus guarda, guia e governa nossa sexualidade em pureza e amor, então, podemos estar certos de que um pastor, ou padre, ou teólogo, ou qualquer outra pessoa, cuja sexualidade não é governada, guardada e guiada numa pureza e amor que exaltam a Cristo, não conhece a Deus – pelo menos não como deveria conhecer”.

Então, é isto o que a Bíblia ensina: que conhecer a Deus – conhecer a Cristo – é o caminho para pureza? É realmente verdade que o verdadeiro conhecimento de Deus prometido em Oséias (e Jeremias 31:34) traz as poderosas paixões do corpo debaixo da influência da verdade, da pureza e do amor?

Eu penso que toda esta conferência será uma resposta a esta pergunta. Mas, deixe-me simplesmente te mostrar alguns dos textos que provêem a resposta. [2] Cada um dos textos ensinam que o conhecer a Deus revelado em Jesus Cristo, guarda nossa sexualidade do uso impróprio, e que o não conhecer a Deus nos leva a sermos escravos de nossas paixões. Romanos 1:28:

Visto que eles não procuraram ter Deus em [seu] conhecimento, Deus os entregou a uma mente depravada para fazer o que não dever ser feito. (tradução literal)

Suprimir o conhecimento de Deus fará de você uma vítima da corrupção. Isto é parte do julgamento de Deus. Se você negocia o tesouro da glória de Deus por qualquer coisa, você pagará o preço por essa idolatria na desordem de sua vida sexual. Isto é o que Romanos 1:23-24 ensina:

E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Por isso Deus os entregou, nas concupiscências de seus corações, à imundícia, para serem os seus corpos desonrados entre si.

Este é o caminho velho. Quando nos chegamos a Cristo, nos despimos disso como um traje velho. Ignorância da ira e da glória de Deus não combina mais conosco. O novo caminho é a santidade sexual, e Paulo contrasta isso com o não conhecer a Deus. 1 Tessalonicenses 4:3-5:

Porque esta é a vontade de Deus, a saber, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição, que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santidade e honra, não na paixão da concupiscência, como os gentios que não conhecem a Deus.

Não conhecer a Deus te coloca à mercê de suas paixões – e elas não têm misericórdia sem Deus. Aqui está a forma como Pedro diz isto em 1 Pedro 1:14-15:

Como filhos obedientes, não vos conformeis às concupiscências que antes tínheis na vossa ignorância; mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em todo o vosso procedimento.

Os desejos que te governaram naqueles dias receberam seu poder para enganar, não para dar conhecimento. Efésios 4:22:

A despojar-vos, quanto ao procedimento anterior, do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano.

Os desejos do corpo mentem para nós. Eles fazem promessas enganosas – promessas que são meia-verdades, como no jardim do Éden. E nós somos incapazes de abandonar e sobrepujar, a menos que conheçamos a Deus – realmente conheçamos a Deus, Seus caminhos e Suas obras e Suas palavras abraçadas com crescente intimidade e êxtase.

Quando Paulo descreve a nova pessoa em Cristo, que está se despindo das velhas práticas e escravidões, ele diz em Colossenses 3:10 que “vos vestistes do novo, que se renova para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou”. E neste conhecimento você será renovado - incluindo sua sexualidade.

A segunda carta de Pedro tem uma das mais claras passagens na Bíblia sobre o relacionamento entre conhecer a Deus e ser libertado da corrupção. Em 2 Pedro 1:3-4 Ele diz,

Visto como o seu divino poder nos tem dado tudo o que diz respeito à vida e à piedade, pelo pleno conhecimento daquele que nos chamou por sua própria glória e virtude; pelas quais ele nos tem dado as suas preciosas e grandíssimas promessas, para que por elas vos torneis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.

O divino poder que nos leva a piedade vem “pelo conhecimento daquele que nos chamou para sua própria glória e virtude”. E nos tornamos participantes de Sua divina natureza – isto, compartilhamos do Seu caráter justo – através de Suas preciosas e grandíssimas promessas. Em outras palavras, conhecer o glorioso tesouro que Deus prometeu ser para nós, nos livra da corrupção da luxúria e nos molda segundo a imagem de Deus.

Ou como Jesus disse de uma forma mais simples em João 8:31-32:

Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sois meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

Nem toda verdade. A verdade que você encontra em minha palavra. A verdade que você encontra na relação comigo, como meu discípulo. E o que é esta verdade? “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem a mim, se o Pai não o trouxer” (João 14:6). “Ninguém conhece Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar” (Mateus 11:27).

O Filho conhece o Pai com verdade, intimidade e êxtase infinitos. O gozo que o Filho tem no Pai é sem paralelos. Sua satisfação em Deus o Pai excede toda satisfação (Hebreus 1:9). E isto Ele compartilha conosco, que confiamos nEle como Salvador, Senhor e Tesouro de nossas vidas. “Estas coisas vos tenho dito, para que o meu gozo permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo” (João 15:11). “Ninguém conhece Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar”. E se Ele quiser, nós conheceremos o Pai. E se nós conhecermos o Pai da maneira que Cristo conhece o Pai, seremos livres.


Conclusão

Portanto, digo novamente meus dois pontos que balançam como uma bandeira dupla sobre esta conferência: 1) a sexualidade é designada por Cristo como uma maneira para se conhecer a Deus mais completamente. E 2) conhecer a Cristo mais completamente em toda Sua supremacia infinita é designado como uma maneira de se guardar e guiar nossa sexualidade. Toda corrupção sexual serve para ocultar o verdadeiro conhecimento de Cristo, e o verdadeiro conhecimento de Cristo serve para prevenir a corrupção sexual.

Eu voltarei neste ponto na manhã de Domingo, em nossa seção final, e todos os palestrantes a desenvolverão. E à medida que eles o fizeram, que a bandeira dupla balance sobre esta conferência com as palavras de Oséias para a mulher rebelde de Deus e para você: “Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra”. Amém.


NOTAS

[1] - Eu concordarei que quando Deus deseja a vida de solteiro para alguma pessoa, Ele projeta isso como uma forma de conhecê-Lo mais completamente. Há modos únicos de se conhecer a Deus através da continência sexual na vida de solteiro e modos únicos de se conhecer a Deus através da intimidade sexual no casamento. [2] - Veja outros textos não citados nesta mensagem: 2 Timóteo 2:24-26; Romanos 12:2; Filipenses 1:9; Romanos 10:3; Oséias 4:1, 6; 5:4; 6:3.

Por: John Piper
Leia também: Sexo e a Supremacia de Cristo. 2ª Parte.
Se desejar compre o livro "Aqui"

Tradução livre: Felipe Sabino de Araújo Neto
Cuiabá-MT, 30 de Outubro de 2004.
Fonte: monergismo.com