quarta-feira, 20 de março de 2013

Cinco sinais da autoglorificação | Paul Tripp

É importante reconhecer o resultado da sua autoglorificação e do seu ministério. Talvez Deus use esta lista para dar um diagnostico inteligente. Talvez ele use isto para expor seu coração para redirecionar seu ministério.

A autoglorificação fará com que você:

1.  Demonstre em público o que você deveria guardar em privado.

Os Fariseus representam para nós um exemplo primário. Porque eles viram suas vidas como gloriosas, eles eram rápidos em demonstrar esta glória para todos os olhos. Mais que você pense que você tenha chegado, e menos que você se veja como uma necessidade de uma graça salvadora diária, mais você tende a se autocitar e a se autoparabenizar. Porque você está atento a autoglorificação, você irá trabalhar para conseguir uma glória maior, mesmo quando você não está ciente de que você esteja fazendo isso. Você irá tender a falar sobre histórias pessoais que farão de você o herói.

Em um ambiente público você encontrará maneiras de falar sobre atos pessoais de fé.

Porque você acha que é merecedor de aplausos, você irá buscar os aplausos dos outros encontrando maneiras de apresentar a si mesmo como um divino.

Eu sei que muitos pastores lendo esta coluna irão pensar que nunca fariam isso. Mas estou convencido que há muito mais “desfile de integridade” em um ministério pastoral do que nós tendemos a achar. É uma das razões que eu acho conferências de pastores, reuniões presbiterianas, assembléias gerais, ministérios, e encontros de plantio da igreja, são desconfortáveis às vezes. Ao redor da mesa depois da sessão, estes encontros podem se degenerar em uma “competição de cuspe” do ministério pastoral, onde nós estamos tentados a ser menos do que honestos sobre o que realmente está acontecendo em nossos corações e ministérios. Depois de celebrar a glória da graça do Evangelho onde há uma forma muito gloriosa de autoconglaturação tomada por pessoas que parecem desejar mais serem aplaudidas do que merecem.

2.  Fique longe da autocitação.

Todos nós sabemos disso, todos nós já vimos isto, nós todos ficamos desconfortáveis com isso, e todos já fizemos isto. Pessoas orgulhosas tendem a falar muito sobre si mesmas. Pessoas orgulhosas tendem a gostar de suas opiniões mais do que a opinião dos outros. Pessoas orgulhosas acham que suas histórias são mais interessantes e envolventes que as dos outros.

  • Pessoas orgulhosas acham que sabem e entendem mais do que os outros.
  • Pessoas orgulhosas acham que merecem o direito de serem ouvidas.
  • Pessoas orgulhosas, porque eles são basicamente orgulhosos do que eles sabem e do que eles fazem, falam muito sobre ambos.
  • Pessoas orgulhosas, não mencionam fraqueza.
  • Pessoas orgulhosas não falam sobre as falhas.
  • Pessoas orgulhosas não confessam pecados. 

Então, pessoas orgulhosas são melhores e são colocadas sob os holofotes, então eles brilham a luz de suas histórias e opiniões, na gloriosa e totalmente imerecida glória de Deus.

3.  Falar quando você deveria ficar calado.

Quando você acha que chegou, você está bastante orgulhoso e confiante das suas opiniões. Você confia nas suas opiniões, então você não está tão interessado na opinião dos outros como deveria. Você tenderá a querer seus pensamos, perspectivas, e pontos de vista para ganhar o dia em qualquer reunião ou conversação dada. Isto significa que você está bem mais confortável do que você deveria, dominando um encontro com seu discurso.

  • Você irá falhar em perceber que há sabedoria em que um conselho de uma multidão.
  • Você irá falhar em perceber o ministério essencial do corpo de Cristo em sua vida.
  • Você irá falhar em reconhecer seu preconceito e cegueira espiritual.

Então, você não irá a reuniões formais e informais com um senso pessoal de necessidade pelo o que os outros têm a oferecer, e você irá controlar a conversa mais do que deveria.

4.  Ficar quieto quando deveria falar.

Autoglorificação também pode ir para outro caminho. Líderes que são muito autoconfiantes, os quais inconscientemente atribuem a si mesmos o que só poderia ser conquistado pela graça, geralmente veem reuniões como uma perda de tempo. Porque eles são orgulhos, eles são muito independentes, então reuniões tendem a ser vistas como irritantes e inúteis interrupções de uma já cheia e sobrecarregada agenda do ministério. Por causa disso eles irão dispensar reuniões ou tolerar o encontro, tentando dar um fim a isto mais rápido possível.

  • Então, eles não irão falar sobre suas ideias para consideração ou avaliação porque, francamente, eles nem acham que precisam disso.
  • E quando suas ideias estão sobre a mesa e sendo debatidas, eles não participam do debate, porque eles acham que o que eles opinaram ou propuseram, simplesmente não precisam ser defendidas.

A autoglorificação ia causar a você falar muito quando deveria ouvir e a não sentir a necessidade de falar quando certamente deveria.

5.  Importar-se muito com o que as pessoas pensam sobre você.

Quando você cai no pensamento que você é algo, você quer que as pessoas reconheçam este algo. Novamente, você vê isto em Fariseus: tarefas pessoais de glorificar-se sempre levam a um comportamento de procura pela glória. Porque você é hiper vigilante, assistindo a maneira como as pessoas em seu ministério respondem, você provavelmente nem percebe como faz coisas para a autoaclamação.

Tristemente, nós muitas vezes ministramos o Evangelho de Jesus Cristo pelo bem da nossa própria glória, não pela glória de Cristo ou pela redenção das pessoas sob nossos cuidados. Eu tenho feito isto. Tenho pensado durante a preparação para um sermão em que certo ponto, colocar em certa maneira, ganharia um caluniador, e eu tenho visto a reação de certas pessoas enquanto eu tenho discursado. Nestes momentos, no discurso e na preparação para o sermão, eu tinha abandonado meu chamado como embaixador da glória eterna de outro com o objetivo de adquirir o louvor temporário dos homens.

Próxima semana, nós iremos ver mais cinco sinais de como a procura pela autoglória dar forma ao seu ministério.

 

Por Paul Tripp

Sobre Ministério Pastoral

Tradução: Katia Vasconcelos

Fonte: The Gospel Coalition