sexta-feira, 2 de março de 2012

A luta | Russell Shedd

Freqüentemente, colegas comentam sobre a luta que enfrentam. Mas o interesse que, por acaso, esperavam suscitar, não se manifesta. Raras são as pessoas que têm coração suficientemente sensível para chorar com os que choram ou rir com os que riem.

A vida não é fácil. Deus nunca planejou para que ela fosse um mar de rosas. Alguns lutam contra a escassez financeira, pagando contas que somam mais do que um salário reduzido. Se alguém não sofre com um filho rebelde ou tem marido maravilhoso, os amigos procuram saber como sua sorte chegou a ser tão boa, enquanto a deles é tão espinhosa. Se nunca passou pelo sofrimento de um câncer, ou humilhação de um assalto, nunca teve um acidente, nem lutou com um sócio desonesto, Deus deve ter feito acepção de pessoas! Será que não enviou um anjo protetor para não permitir que tropeçasse ou tomasse o caminho errado?

É desagradável lutar. A maioria pacífica deseja evitar combates e guerras. A luta produz neuroses que convencem muitos a procrastinar. É um defeito de caráter comum. Não tendo a coragem de enfrentar o problema, o procrastinador se lança na esperança de que a dificuldade há de passar, tal como passou quando era criança. Não querendo pagar o alto preço necessário para solucionar o problema, aguarda-se o amadurecimento que não chega.

Pense nos adolescentes que não têm respeito pelos seus pais. O problema não aparece de um dia para outro. Se um pai não trata o caso com energia, rapidamente aparecem amigos nada confiáveis. Eles introduzem suas vítimas às drogas, à prostituição e ao crime. Se raciocinamos que Deus não quer que seus filhos sofram, a frustração pode ser um motivo para desistir do Caminho. É muito fácil esquecer das passagens bíblicas que, como em Tiago, mandam considerar motivo de grande alegria o fato de passarem por diversas provações, uma vez que produzem frutos de maturidade e integridade.

Uma fé verdadeira e profunda descansa no mesmo berço que Miguel de Molinos experimentou há mais de 300 anos: “Seja constante e de boa coragem; pois que, por mais intolerante que você seja consigo mesma, ainda é protegida, enriquecida e amada pelo maior Bem, como se ele não tivesse nada mais a fazer além de guiá-la à perfeição por meio dos mais altos passos do amor; como se você não pudesse se desviar, mas perseverar constantemente, sabendo que você oferece o mais satisfatório sacrifício para Deus. Se, do caos do nada, a onipotência dele produziu tantas maravilhas, o que ele não fará em sua alma, criada à imagem e semelhança dele, se ela se mantiver constante, calma e resignada” (Refrigério para a Alma, p. 150).

As lutas da vida não podem ser evitadas porque somos pecadores. Vivemos num mundo caído. Treinamento transforma um simples homem num guerreiro eficaz. Batalhas não se vencem por temerosos procrastinadores. Determinados e corajosos lutadores não consideram suas vidas preciosas para si mesmos. Seu propósito na vida é vencer para a honra do seu General.

A ARMADURA DE DEUS
 
O apóstolo Paulo, que passou por inúmeras lutas na sua vida cristã, deu a mais valiosa recomendação para os que querem vencer. “Vistam toda a armadura de Deus para poderem ficar firmes contra as ciladas do diabo, pois a nossa luta não é contra seres humanos, mas contra os poderes e autoridades ...Por isso, vistam toda a armadura de Deus, para que possam resistir no dia mau e permanecer inabaláveis...” (Ef 6.10-13).

Em primeiro lugar, é imprescindível cingir-se com a verdade que liberta. A verdade do Evangelho oferece perdão e restauração quando falhamos. A couraça da justiça nos protege do raciocínio, que diz: “Continuaremos pecando para que a graça aumente”. Os pés calçados com a prontidão do Evangelho gera paz quando a ansiedade inunda a alma. O escudo da fé protege o lutador contra as setas do Maligno que queimam o coração com desespero quando nenhuma escapatória humana aparece. O capacete da salvação oferece garantias contra o ódio e a hostilidade que as ofensas naturalmente suscitam. Finalmente, a espada do Espírito prepara para lutar com crescente eficácia. Lutas vencidas no passado prometem maiores vitórias no futuro.

Algumas pessoas se chegam a Cristo com a expectativa de que terão uma vida tranqüila, sem tempestades ou ondas encapeladas. Em lugar da decepção e frustração, dê às lutas boas-vindas. Permita que elas o desmamem do mundo e emprestem um brilho maior ao céu.

Dr: Russell Shedd
Fonte: Revista Enfoque