quinta-feira, 30 de maio de 2013

O Verdadeiro Corpus Christs | João Calvino

crist"Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus; NEM também para a si mesmo se oferecer MUITAS VEZES, como o sumo sacerdote cada ano entra no santuário com sangue alheio; de outra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora na consumação dos séculos UMA VEZ se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo. E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo, assim também Cristo, oferecendo-se UMA VEZ para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação". (Hebreus 9:24-28)"

80. Que diferença há entre a ceia do Senhor e a missa do papa?

R. A ceia do Senhor nos testemunha que temos completo perdão de todos os nossos pecados, pelo único sacrifício de Jesus Cristo, que Ele mesmo, uma única vez, realizou na cruz (1) ; e também que, pelo Espírito Santo, somos incorporados a Cristo (2), que agora, com seu verdadeiro corpo, não está na terra mas no céu, à direita do Pai (3) e lá quer ser adorado por nós (4). A missa, porem, ensina que Cristo deve ser sacrificado todo dia, pelos sacerdotes na missa, em favor dos vivos e dos mortos, e que estes, sem a missa, não tem perdão dos pecados pelo sofrimento de Cristo; e também, que Cristo está corporalmente presente sob a forma de pão e vinho e, por isso, neles deve ser adorado. A missa, então, no fundo, não é outra coisa senão a negação do único sacrifício e sofrimento de Cristo e uma idolatria abominável (5).

  • (1) Mt 26:28; Lc 22:19,20; Jo 19:30; Hb 7:26,27; Hb 9:12; Hb 9:25-28; Hb 10:10,12,14.
  • (2) 1Co 6:17; 1Co 10:16,17.
  • (3) Jo 20:17; Cl 3:1; Hb 1:3; Hb 8:1,2.
  • (4) At 7:55,56; Fp 3:20; Cl 3:1; 1Ts 1:10.
  • (5) Hb 9:26; Hb 10:12,14". (Catecismo de Heidelberg)

"Cristo, estando à morte, testifica ter sido consumado e cumprido com seu único sacrifício tudo quanto era para nossa salvação. Porventura nos será permitido acrescentar continuamente outros infindos sacrifícios, como se o de Cristo fosse imperfeito, a despeito de demonstrar tão claramente a perfeição do mesmo? Quando a sacrossanta Palavra de Deus não apenas afirma, antes, até mesmo clama e também contende, que este sacrifício foi efetuado de uma vez por todas e sua eficácia permanece eterna, os que apresentam outro, porventura não o estão a acusar falsamente de imperfeição e fraqueza? Ora, a missa que foi implantada com esta norma, que cem mil vezes cada dia se realizam sacrifícios, a que visa, senão que a paixão de Cristo, mercê da qual se ofereceu ao Pai como vítima sacrificial única, jaz sepultada e submersa? Quem, senão um cego, não percebe que nisso se encerra audácia de Satanás, para poder resistir e combater contra a verdade de Deus, tão manifesta e tão clara? Tais cortinas de fumaça, porém, se dissipam sem dificuldade alguma, pois em toda a discussão o Apóstolo afirma que não se pode repetir nenhum outro sacrifício, senão aquele único que foi oferecido uma só vez"

Autor: João Calvino, Institutas da Religião Cristã, Livro IV, Capítulo XVIII,

"Da Missa Papal, Por Cujo Sacrilégio Não Foi Só Profanada a Ceia de Cristo, Mas Inclusive Reduzida a Nada"

Postado por: Victor Silva – Via – Castelo Forte