terça-feira, 21 de junho de 2011

ABNEGAÇÃO: Um Elelemento na Adoração (5) Final


NOSSA APROXIMAÇÃO A DEUS EM ADORAÇÃO

A mesma verdade se torna ainda mais evidente quando pensamos a respeito da adoração como nossa aproximação a Deus. Adoração significa nos aproximarmos de Deus por meio do novo e vivo caminho de Jesus Cristo. Ora, é verdade que fomos criados para Deus e que n'Ele vivemos, nos movemos e existimos. Também é verdade que, ao acordarmos e nos levantarmos, Ele não está distante de qualquer um de nós. No entanto, existe um tão grande envolvimento nas coisas do mundo, mesmo entre aqueles que oram e vigiam intensamente, que para nos aproximarmos de Deus com todo o coração é necessário um verdadeiro esforço. Evidentemente, podemos ir à igreja, estar ali e jamais conhecer a realidade da adoração; pois somos capazes de nutrir pensamentos, ter sonhos e, em espírito, estar a milhares de quilômetros. Mas rejeitar calmamente pensamentos intrusos e dedicar-se à oração, louvor e leitura da Bíblia são tarefas que raramente serão fáceis e, para alguns, incrivelmente difíceis. Se houvesse algo que prendesse nossa atenção, isto faria toda a diferença do mundo. Em um teatro, você pode esquecer de si mesmo, absorvido pela excitação da peça. Mas a igreja do Deus vivo não é um teatro e, quando ela se torna teatral, a sua adoração desaparece, com todas as suas bênçãos. Se você quiser vaguear com seus pensamentos, pode fazê-lo sempre que desejar, pois de modo visível nada existe na igreja para prender sua atenção. Na adoração, há somente alguns hinos, oração tranqüila e a simples leitura de uma parte das Escrituras. Você precisa fazer o esforço necessário, fechar as portas de sua mente e reservar-se; através deste esforço, vem a bem-aventurança da adoração pública de Deus. Desse modo, a adoração torna-se um festa celestial — quando trazemos nossa vontade à adoração e a consideramos algo nobre. Desse modo, a adoração tornase um dos meios da graça, em qualquer lugar populoso e agitado. Torne a adoração tão atrativa quanto desejar, mas lembre que, se ela tiver de ser-lhe uma bênção, você tem de negar a si mesmo, tomar a sua cruz, trazer ofertas e entrar nos átrios de Deus.

“PASSA PELO MEIO DO CAMINHO”

Antes de chegar ao Alto da Colina, porém, o sol se escondeu atrás do horizonte, e Cristão lembrou-se novamente da tolice de haver dormido. E lembrou-se também do que lhe contaram Tímido e Desconfiado, que haviam recuado com medo dos leões. E pensou: Essas feras devem estar por aí, à solta. Se me encontrarem no escuro, me matarão. Como poderei escapar? Enquanto assim meditava sobre seu infeliz descuido, eis que levantou os olhos e viu um magnífico palácio à sua frente, cujo nome era Belo. Entretanto, por uma passagem estreita, porém, viu dois leões no caminho. Hesitava quando o porteiro, de nome Vigia, exclamou: É assim pequena a tua coragem? E continuou: Não temas passar. Os leões estão acorrentados e só estão aí para provar a fé ou a incredulidade. Passa pelo meio do caminho e nada te sucederá de mal.
(Trechos da alegoria de John Bunyan, "O Peregrino" a história da viagem de um cristão à cidade celestial. Ilustrado, 4a. edição revista e corrigida, 1981, Editora Fiel, SP, p. 43, itálicos e grifos nossos.)

Fonte: Revista Fé para Hoje
Por: George H. Morrison
Tadução: Editora Fiel