segunda-feira, 3 de maio de 2010

Confissão e gratidão | David C. McCasland



Leitura: Neemias 9:32-37
Pois eles no seu reino, na muita abundância de bens que lhes deste […] não te serviram […] —Neemias 9:35



Durante um culto de domingo, nossa congregação fez esta oração em conjunto: “Gracioso Deus, assim como muitos cristãos antes de nós, reclamamos quando o que queremos não acontece do nosso jeito. Desejamos tudo em abundância, ao invés daquilo que é suficiente para nos mantermos. Preferiríamos estar em qualquer outro lugar ao invés de onde estamos agora. Preferiríamos ter os dons que Tu dás a outros ao invés daqueles que concedes a nós. Preferiríamos que Tu nos servisses ao invés de te servirmos. Perdoa a nossa ingratidão por aquilo que Tu nos dás.”
Abundância não é garantia de gratidão ou ação de graças. A prosperidade pode até afastar os nossos corações do Senhor.
Quando um grupo de exilados judeus voltou da Babilônia com Neemias para reconstruir os muros de Jerusalém, eles se reuniram para confessar os seus pecados e também os dos seus antepassados. Eles oraram: “Os nossos reis, os nossos príncipes, os nossos sacerdotes e os nossos pais não guardaram a tua lei […] Pois eles no seu reino, na muita abundância de bens que lhes deste, na terra espaçosa e fértil que puseste diante deles não te serviram, nem se converteram de suas más obras” (Neemias 9:34-35).
A confissão é um prelúdio poderoso para uma oração de gratidão. A obediência é o amém.

David C. McCasland